CÃO DE GADO TRANSMONTANO

ORIGEM

Trás-os-Montes – Portugal.

UTILIZAÇÃO

Cão de guarda e protecção de gado ovino e caprino.

CLASSIFICAÇÃO

Grupo 2 – Cães de tipo Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Cães de Montanha e Boieiros Suiços.
Secção 2.2 – Molossóides, tipo Montanha.
Sem prova de trabalho.

BREVE RESUMO HISTÓRICO

A origem desta raça une-se à história de todos os mastins ibéricos e a sua evolução está ligada às deslocações dos rebanhos da região para as regiões adjacentes.
Companheiro do pastor com funções específicas de guarda contra o ataque do lobo, desde sempre comum na zona.
Em épocas remotas, este cão fixou-se nas regiões altas de Portugal, nomeadamente em Trás-os-Montes.
Nesta região montanhosa, que se caracteriza por campos íngremes de pastos e de difícil acesso rodoviário, esta raça adaptou-se às condições da região e ao tipo de gado ovino e caprino que, tradicionalmente tem pastagem nestas áreas, evoluindo, até se fixar morfologicamente, em perfeita harmonia com as condições e o tipo de trabalho que lhe foi solicitado.

ASPECTO GERAL

Cão molossóide de grande tamanho, forte e rústico que se evidencia pelo seu aspecto imponente, porte altivo e olhar sereno. Tem o perfil lateral quadrado, com membros altos, de ossatura forte, naturalmente direitos e bem aprumados, ventre ligeiramente arregaçado
e angulações posteriores moderadas.
Existe nesta raça dimorfismo evidente, atingindo os machos altura e corpulência nitidamente superiores às das fêmeas.

PROPORÇÕES IMPORTANTES

Tem perfil convexilíneo e o corpo é brevilíneo.
A relação da altura ao garrote e o comprimento do corpo são praticamente iguais.
A altura ao codilho é nitidamente superior a metade da altura ao garrote.

COMPORTAMENTO / CARÁCTER

Não obstante a sua corpulência é um cão de temperamento dócil, mas reservado.
É cauteloso sem ser agressivo, sempre calmo e com olhar sereno. É um excepcional vigia na sua função de guarda de rebanhos contra o ataque dos lobos, sempre atento nas suas funções de protecção.
Vive e convive com outros machos sem conflito, onde existem fêmeas em idade de reprodução, impondo a hierarquia da dominância quando habita em conjunto e é natural vê-los juntos em número superior às fêmeas no acompanhamento do rebanho, que nunca
é feito por um só cão.
Confrontado com o contacto humano de estranhos e ultrapassada a reserva inicial, deixa-se manusear sem problemas e é muito sensível a bons tratos e atenções.

CABEÇA

Grande e maciça, mas não demasiado volumosa em proporção ao tamanho do corpo, tem perfil convexilíneo com eixos crânio-faciais paralelos tolerando-se os ligeiramente divergentes.

REGIÃO CRANIANA

Crânio: Moderadamente largo e pouco abaulado nos eixos. Arcadas supra-ciliares aparentes.
Stop: Depressão naso-frontal moderada.

REGIÃO FACIAL

Trufa: Oval e grande, com narinas bem abertas, de preferência negras ou escuras.
Chanfro: Ligeiramente mais curto do que o crânio; tem faces laterais convergentes e trunca obliquamente. Transversalmente, ligeiramente arredondado, tem perfil recto.
Lábios: Bem sobrepostos, de grossura regular, um pouco pendentes e ligeiramente arredondados, com comissura labial aparente e boca bem rasgada. As mucosas são bem pigmentadas de negro.
Maxilares: São fortes, bem desenvolvidos e bem musculados.
Dentes: Fortes e bem desenvolvidos. Dentição em tesoura ou em pinça.
Olhos: De tamanho médio e formato amendoado, de cor castanha tom de mel à mais escura. O posicionamento dos olhos é ligeiramente oblíquo e semi-frontal. As pálpebras são pigmentadas de negro. O olhar é sereno.
Orelhas: São de tamanho médio, bastante carnudas, ligeiramente mais compridas do que largas, triangulares, com a ponta em bico arredondado e de inserção média-alta (acima da linha dos olhos). Têm mobilidade de porte, sendo o mais comum o pendente, mas
podendo repuxar ligeiramente e preguear na vertical.
Quando em atenção, levantam e dobram para a frente.

PESCOÇO

O pescoço é de tamanho médio, direito, forte e bem musculado. A barbela é aparente, mas é simples e não muito empapada. A pele do pescoço é bastante solta.

CORPO

Forte, sem ser demasiado volumoso, bem musculado.
A altura ao garrote deve ser igual ao comprimento do corpo.
Linha Superior: Direita.
Ombros: Bem inseridos na base do pescoço, com escápula comprida e angulação escapulo-úmeral média (110º).
Dorso: Curto, firme recto, amplo e bem musculado.
Garupa: De comprimento médio, moderadamente larga e inclinada.
Peito: Amplo e medianamente largo, a caixa torácica com costelas moderadamente arqueadas é volumosa.
O peito é bem desenvolvido e desce até ao codilho sem o ultrapassar.
Linha Inferior e ventre: Ligeiramente ascendente no sentido esterno/ventre o que torna o ventre um pouco arregaçado.

CAUDA

Inteira e grossa, bem coberta de pelo, de inserção e tamanho médios, não ultrapassa o jarrete. Tomba em sabre, mas podendo apresentar curva na extremidade, em movimento o porte da cauda é alto, em foice, podendo mesmo enrolar na sua extremidade.

MEMBROS

MEMBROS ANTERIORES: Vistos de frente são fortes, compridos, direitos e paralelos.
Braço: Forte comprido e bem desenvol vido.
Antebraço: Comprido e vertical, com osso cilíndrico.
Codilhos: Bem aderentes ao peito, nunca descodilhados.
Carpo: A articulação é muito forte.
Metacarpo: Muito bem aprumado e quase direito.
Mãos: Fortes, volumosas e redondas, com dedos bem juntos e arqueados. Almofadas plantares grossas, altas e resistentes.

MEMBROS POSTERIORES: Fortes e musculados, vistos de traz são paralelos.
A angulação fémuro-tibial é moderada.
Coxas: Compridas e bem musculadas.
Pernas: Compridas e musculadas.
Tarso : Alto, largo e forte.
Metatarso: Proporcionado à altura dos membros e pode apresentar presunhos simples ou duplos.
Pés: Ovais ou mesmo arredondados.

PELE

De textura bastante grossa e solta na região do pescoço, onde forma barbela simples e no garrote; é bastante mais fina na cabeça do que no corpo.

PELAGEM

Grossa, de comprimento médio e abun dante.

PÊLO: Liso e muito denso. O sub-pêlo existe e é evidente. Na região da cabeça, orelhas, chanfro e membros o pêlo é mais curto e fino.

COR: As pelagens mais comuns são as brancas malhadas de preto, de amarelo, de fulvo ou lobeiro.
As pelagens unicolores são fulvas, amarelas ou lobeiras podendo ser também raiadas. Nestas pelagens é comum serem manalvos, pedalvos ou quadralvos e com frente aberta na cabeça. Podem também apresentar interpolação mosqueada no fundo do manto ou afogueado na região das faces, sobrolhos e região anal (tricolor).

ANDAMENTOS

Não obstante o tamanho e a corpulência, o andamento é ligeiro, enérgico, bem cadenciado e com amplitude de passo.

ALTURA E PESO

Altura:
Machos: 75-85 cm.
Fêmeas: 68-78 cm.
Peso:
Machos: 60-75 Kg.
Fêmeas: 50-60 Kg.

DEFEITOS

Qualquer desvio em relação ao estalão deve ser considerado como defeito e penalizado de acordo com a sua gravidade e das suas consequências na saúde e bem-estar do cão.
Chanfro: Pontiagudo e afunilado.
Olhos: Amarelos; pálpebras muito descaídas.
Pescoço: Barbela excessiva ou dupla.
Corpo: Ossatura fina.
Dorso: Comprimento excessivo (longilíneo).
Membros Anteriores: Aprumos fracos ou muito inclinados.
Cauda: Com gancho.

DEFEITOS GRAVES

Cabeça: Muito volumosa; Eixos crânio-faciais convergentes ou excessivamente divergentes.
Crânio: Muito abaulado.
Trufa: Nariz cor de carne ou almarado.
Chanfro: Demasiado curto.
Dentes: Evidente prognatismo inferior ou superior.
Olhos: Grandes, redondos ou aflorados.
Orelhas: Inserção baixa, pequenas, finas de textura.
Peito: Largo e descido abaixo do codilho; caixa torácica em forma de barril.
Mãos: Espalmadas.
Pés: Espalmados.
Pelagem: Pouco densa e demasiada curta no corpo.
Pêlo: Ausência de sub-pêlo.
Cores: Preta ou branca unicolores.
Todo o cão que apresentar, de forma evidente, anomalias de ordem física ou comportamental deve ser desqualificado.
Nota: Os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos no escroto.